primeiro round ’17: discos, musicas, filmes, tv, shows

Sete e bláu e nóis tá como???? Hãaaaaaa

A post shared by Alice Caymmi (@alicecaymmi) on

Um meio de ano bem gordo.  Felizmente ano que vem vai ter top de viagens e comidas também. E aqui, a famigerada playlist só das musicas no Spotify pra quem for doido o suficiente pra acompanhar meu gosto, hehe.

Continuar lendo “primeiro round ’17: discos, musicas, filmes, tv, shows”

oscar broadcast ’17: perspectivas rápidas sobre os 9 indicados a melhor filme

moonlightÉ claro que esse pot existiria né? E este ano devidamente com todos os indicados a melhor filme vistos! E com mais uma prova do meu vício compulsivo por listas, tá tudo ordenado e numerado por preferência. É claro que eu devia tar falando sobre filmes lindos dessa temporada, como a comédia depalmiana do diretor de Oldboy, do Titanic do Rob Zemeckis, do coming of age da Hailee Steinfield com elenco mais bem cuidado desde o auge do Albert Brooks (sério, vejam The Edge of Seventeen, que filme!), de um filme que consegue ser divertido, ser feminista, ser pop, ser classicista, ser wiccano com o nome de ‘A Bruxa do Amor’, mas estou aqui escrevendo sobre filmes que encerram com músicas da Sia com batida de Bollywood, Ryan Gosling se achando o salvador do jazz, enfim… Louco né? Posso dizer que a exceção dessas duas bombas, ou até incluindo elas, a experiência de ver todos os filmes indicados ao Oscar de melhor filme em uns 5-6 anos não foi de tudo mal — aliás, acho que mais do que em todos os meus outros anos como ‘cinéfilo’, a junção destes filmes aqui definem todo um momento político dos Estados Unidos. Vejo isso quando até o mais rasteiros entretenimentos da categoria, como o bom Estrelas além do tempo, se tornaram verdadeiras plataformas de discursos sociais, o que eu diria que tem muito mais a ver com o marketing do filme que com o filme de fato. Continuar lendo “oscar broadcast ’17: perspectivas rápidas sobre os 9 indicados a melhor filme”