2016: melhores faixas

2016 deveria ser um ano importante, definidor pra mim. ano de maturidade. e em vez disso, foi o ano em que eu ~afundei~~ na nostalgia; criei dentro dela, uma realidade paralela, onde sim, tudo que um dia eu critiquei aconteceu: eu tava vendo os melhores momento da minha infância e adolescência e me perguntando porque caralhos eu vim parar numa vida adulta. 2016 foi o ano em que eu passei a maior parte dos meus momentos no spotify ouvindo minha playlist que continha cada música que me marcou nos 5 primeiros anos dos anos 2000, onde as únicas coisas certas na minha vida era a reprise da malhação da vagabanda as 13h e a reprise de laços de família, as 23h30, no VIVA. 2016 também foi o ano em que eu gostei de uma música da meghan trainor, só porque parecia um single da britney à época em que ela namorava o timberlake. que eu assistia todo mês as maratonas do megapix dos 3 primeiros american pie (os que prestam tbh).

mas também foi o ano em que havia a aluna francis cantando aqui no cantinho do meu ouvido que nostalgia é boa sim, mas ela sofre sempre de uma merdinha chamada idealização. e é essa idealização que te faz ver as lembranças assim, todas conjuntas, como uma realidade que você já viveu. a ‘realidade’, na verdade, tá bem além das memórias; que felizmente são um bocado seletivas. pensar nisso escutando ‘i remember’ era uma fuga, mas também uma compreensão daquilo que eu tava — ou tou? — vivendo. e também era o que não me fazia endoidar acreditando que tudo era melhor quando a maior bad da minha vida tiha sido o fim do disk mtv. tanto faz.

2016 também foi o ano em que eu perdi um dos meu heróis. e dois dias depois eu poderia ouvir & ver o lemonade pela primeira vez. foi mais de um mês vivendo basicamente só numa terapia com esses dois (beyoncé & prince) e aprendendo mais sobre o que eles poderiam me ensinar — negritude, sexo, imagem, força, raiva, feminilidade, auto-estima. sim, por mais estranho que parecesse alguns dos melhores momentos que eu vivi esse ano era tentando me isolar de tudo e estando só na companhia deles.

tanto faz de novo. outra coisa que eu critiquei muito e acabou que estou fazendo aqui nesse famigerado fim de 2016 é me importar com gêneros. durante a maior parte da minha vida como nerd de música (nunca acreditei que eu fosse ‘crítico’), as classificações de gênero pareciam progressivamente irrelevantes. nichos e mais nichos se misturando, inflexões de diferentes gêneros etc. mas em 2016 graças ao tempo menor devido a faculdade, eu reduzi o conteúdo musical que eu consumia àquilo que mais me interessava. e no fim, os gêneros fizeram mais sentido que nunca.

so… cá estou eu mudando a estrutura da lista. o top20 continua ali embaixo, bonitinho todo escrito, separado por posições. mas o resto são todos os gêneros que tinham tudo que eu gosto esse ano. duas coisas a se notar: a) funk foi horrível esse ano ;_; não só os hits tão bem qualquer coisa, pra não dizer ofensivos (oi, malandramente), como agora que a rasteirinha deixou de ser um híbrido brasil/haiti pra ser a porta de entrada da anitta na carreira internacional, não tem nada de muito criativo no momento, e como não existe gênero mais instantâneo que o funk no brasil… e b) ‘dance music’ é meu amor mesmo, né? consegui subdivir em house, edm, electronica, jersey club… e c) sertanejo feminino foi a única instituição que funcionou no brasil esse ano, também. então, chega de papo. chora não, coleguinha!

SERTANEJO / ARROCHA / SERTANEJO UNIVERSITARIO etc.
Marília Mendonça, Infiel
Marília Mendonça, Esse Cara Aqui do Lado
Marília Mendonça, Hoje Somos Só Metade
Marília Mendonça, Meu Cupido É Gari
Marília Mendonça, …
Luan Santana, Eu, Você, O Mar e Ela
Matheus & Kauan, O Nosso Santo Bateu
Naiara Azevedo ft. Maiara & Maraísa, 50 Reais
Simone & Simaria, Meu Violão e Nosso Cachorro
Wesley Safadão, Fala Aqui Com a Minha Mão
Henrique & Juliano ft. Marília Mendonça, Flor e Beija-flor

R&B
Maxwell, Lake by The Ocean
Erykah Badu, Trill Friends
Sampha, Timmy’s Prayer
Luccas Carlos ft. BK’, Lady
Jamila Woods, BLK Girl Soldier
ABRA, Crybaby
Jesse Boykins III ft. Luke James, LikeMinded
Chloe x Hale, Drop
Solange, Cranes In The Sky
Bruno Mars, Versace On The Floor
Tinashe, Touch Pass
Sevyn Streeter ft. Gucci Mane, Prolly
Keke Palmer ft. Jeremih, Enemiez
Bryson Tiller, Let Me Explain
Usher, Crash
Beyoncé, All Night
Snakehips & ZAYN, Cruel
Kehlani, Gangsta

DANCEHALL
Spice, Indicator
Angela Hunte, Mon Bon Ami
Tifa, Big Bumper
Mavado, Big League
Alicia Keys, In Common
J HUS, Friendly
Equiknoxx ft. Devin Di Dakta, Bubble (Remix)
Demarco, Who The Fuck Care (Dancehall version)
Road Elf, Jokkie Jam
Chi Chi Ching, Roast or Fry (Breadfruit)
Vybz Kartel, Fever
Chronixx, Sell My Gun

AFROPOP / AFROBEATS / REGGAE
Classixx ft. T-Pain, Whatever I Want (Young John Da Wicked Producer Remix)
Didi ft. Mayokun, Gat Me
Ice Prince ft. Zamani, Mutunmina
Big Klef ft. Meaku & Eddy Kenzo, Feel It
Lil Kesh, Ishe
Yemi Alade, Ferrari
Tiwa Savage ft. Olamide, Standing Ovation
Burna Boy, Pree Me

POP
Britney Spears, Do You Wanna Come Over?
MØ, Final Song
Ludmilla, Bom
Jessy Lanza, It Means I Love You
Dua Lipa, Hotter Than Hell
Tove Lo, Coo Girl
Halsey, Colors
Jojo ft. Remy Ma, Fake Ass Bitches
Little Mix, Shout Out To My Ex
Tati Zaqui, Rebelde e Abusada
DNCE, Body Moves
Johnny Hooker, Pense Em Mim
The Weeknd ft. Daft Punk, Starboy
Meghan Trainor, No
Bridgit Mendler ft. Kaiydo, Atlantis
Rihanna, Kiss It Better

FUNK
Deize Tigrona & DJ Chernobyl, Madame
Mastiksoul vs Afro Bros, Dança do Bumbum
MC Carol, Propaganda Enganosa
MC Davi, MC Kevin & MC Phe Cachorreira, Te Encontro na Marconde
MC Davi, Grave com o Som
MC Tha, Pra Você

ELECTRONICA / WORLDBEAT
Mauro Telefunksoul, Afro (Bahia Bass Music)
Endgame, Savage Riddim
Dawn Richard, Not Above That
DJ Nervoso, Ah Ah
Lotic, Formation (Election Anxiety / America is Over edit)
MM, Why You All In My Face
Moro, Salve sua Vida
Nooran Sisters, Teri Duniya (Balasa Drum Mix)
Schwarz ft. Blaqstarr, Berko Lover & Greydolf, Take A Picture
Nidia Minaj, Olha Agora

EDM
TT The Artist x Snappy Jit, Dig
Hailee Steinfield ft. Zedd & Grey, Starving
Pabllo Vittar, No Chão (DJ Sydney Remix)
Maffalda, 904
Denzel & FMIX, BRINKS
DJ Snake ft. Bipolar Sunshine, Middle
The Chainsmokers ft. Halsey, Closer
João Brasil, Hey Pugliessi, deixa eu comer maionese
Coyote Beatz, Caraaalho
Flume ft. Tove Lo, Say It

JERSEY CLUB
Rihanna, Sex With Me (AceMula & SBF Club Remix)
Skepta, Man (UNIIQU3 & YK Jersey Club Remix)
Drake, Child’s Play (UNIIQU3 x BASED PRINCE Remix)
Saint x UNIIQU3, Yo (I’m Lit)
Shiftee ft. TT The Artist, Dope Girls

HOUSE
Calvin Harris ft. Rihanna, This Is What You Came For
Roman Flügel, 9 Years (DJ Koze Remix)
Axel Boman, In The Dust of This Planet
Lianne La Havas, Lost and Found (Matthew Hebert Remix)
Patti LaBelle, Music Is My Way Of Life (Joey Negro Funk In The Music Mix)
Disclosure, Boss
Swindle, Connecta (DJ Q Remix)
DJ Q, Flavor
Katy B & Chris Lorenzo, I Wanna Be
Quavius, Love The Way
Don’t DJ, Gamellan (Out Now)
Traumprinz, N.Y. Diva Has Been Set On Fire (Kasha’s Short Vocal Mix)
t q d, Ghosts
Willow, A2
Tough Love & Karen Harding, Like I Can (DJ Q Remix)
Levon Vincent, B1

RAP
Rae Sremmurd ft. Gucci Mane, Black Beatles
Kamayiah, For My Dawg
Young M.A., OOOUUU
Nicki Minaj, Black Barbies
Cardi B, Wash Poppin’
Yo Gotti ft. Nicki Minaj, Down in The DM (Remix)
Amiri, Rude Bwoy
Diomedes Chinaski, Iluminuras
Future, Inside The Mattress
Don L & LAY, Chapei
ModestiaParte ft. Sain, Goles Perdidos (Remix)
Dreezy ft. Jeremih, Body
Kevin Gate, 2 Phones
Flora Matos, Igual Manteiga
Raphão Alaafin ft. Rincon Sapiência, Hoje Tem Batuque

GRIME / UK RAP
Stormzy, Scary
Dave x AJ Tracey, Thiago Silva
P Money ft. Blacks, AJ Tracey, PK, CapoLee, Saf One, Coco, Jammz & Discarda, 10/10 (Remix)
Bugzy Malone, Gone Clear
Belly Squad, Moves
Capo Lee ft. D Double E, Mud
Kojo Funds x Abra Cadabra, Dun Talkin
Skepta ft. Novelist, Lyrics

REGGAETON
Maite Perroni, Adicta
Anitta ft. Maluma, Sim ou Não
TOMASA DEL REAL ft. Talisto, Tu Señora
Shakira ft. Maluma, Chantaje
Becky G, Sola
J Balvin, Bobo

e agora só os top dos tops:

Coleção Nike International. Foi um prazer participar de mais essa ação da @nikerio.

A post shared by Start Rap l FRUTO DO JOGO (@startrapoficial) on

20 START | FALAKEN
Poucas ideias e um dos grupo mais importantes do rap brasileiro de hoje. O que rende? 5 minutos incríveis falando sobre bonde avançado…

Hoje vai ser desse jeito —— Cachaça com Jambu Sensação —– DE JAMBU OU AÇAI hahaha

A post shared by Dj Méury a Musa Das Produções (@djmeuryoficial) on

19 DJ MEURY & MC DOURADO | PRESSÃO DO CROCODILO
Antes de fazer direto essa lista pelo tempo curto, eu tinha a intenção de fazer também uma lista das músicas que renderam os meus melhores momentos nas pistas de 2016. E cara, o que eu pude concluir? Que todas as vezes que eu fui em uma boate esse ano eu escutei essa música, e todas essas vezes foram absurdamente singulares pra mim. Tanto que hoje pós-fenômeno e a ubiquidade cultural do Crocodilo em Belém, eu já defino também como “bregaço the song”. (also DJ Meury também tem meu dj set favorito de 2016!)

For @flauntmagazine

A post shared by Zara Larsson (@zaralarsson) on

18 ZARA LARSSON | AIN’T MY FAULT (J HUS & FRED VIP REMIX)
“Ain’t My Fault” é, talvez, meu single preferido da Zara Larsson até o momento (o que não é pouca coisa), mas eu aprecio ainda mais esse edit de dois gigantes do rap britânico que, claro, com o bom tato pro gênero que o MNEK emula aqui, nem mudam muito a fórmula. A musculatura dos breaks e o versinho do J Hus só dizem que a Zara aguenta o pique sozinha sim, mas bem acompanhada fica melhor ainda.

📸 por: Fernanda Figueiredo #boarde #barsecreto

A post shared by Sydney Sousa (@djsydneysousa) on

17 DJ SYDNEY ft. BAD$ISTA, MISTURA FINA
Se há um ano atrás me falassem que a mistura (inevitável, diga-se) de funk e footwork ocorreria primeiramente no Brasil, eu duvidaria muito. Mas eis que esses meninos da bass music nacional aprenderam até os truques de apropriação do Diplo.

16 MARÍLIA MENDONÇA | COMO FAZ COM ELA
Dentre tantos – brilhantes – hits da Marília em 2016, escolher um aqui é quase que no unidunitê. “Como faz com ela” é a que mais instiga até hoje não exatamente por ser sobre sexo, mas é na forma como ela destoa da narrativa da Marília como se fosse uma melhor compreensão da persona dela — é sua música mais vulnerável, também, e o que de mais próximo ela conseguiria fazer de ’50 Reais’. E cada descrição, cada especificidade que ela dá na ponte e no refrão… cara, acho que temos a melhor compositora de 2016.

15 MARGINAL MEN & VINÍ | 777
Agora que o big room EDM tá oficialmente morto, é hora de verdade do funk-EDM ganhar vez nas pistas do Brasil? E não falo daquelas bobagens manjadas que desaproveita hits já ruins do Dennis, mas há essa autenticidade, toda uma ideia por trás dessa faixa do Marginal Men que me faz ver, na real, o funk pras arenas.

É o show da virada minha gente! Estamos muito felizes em poder participar dessa festa! 🙋🏻🙏🏻❤️ #showdavirada

Uma publicação compartilhada por Maiara & Maraisa (@maiaraemaraisaoficial) em

14 MAIARA E MARAÍSA | 10%
Talvez meu hook preferido do ano. Eu amo como na vozes da Maiara & Maraísa, cada palavra aqui soa tão complexa.

GO CUBS ⚾️🏆

A post shared by MAJOR LAZER (@majorlazer) on

13 MAJOR LAZER ft. JUSTIN BIEBER & MØ | COLD WATER (DJ SYDNEY BAILE FUNK EDIT)
Eu gosto mais da versão original que a maioria de vocês, mas o que o Sydney fez com ela é coisa de louco. Sei lá, parece que essa letra e a performance vocal do Biebs exigia algo assim, mais minimalista e obscuro. Que desse a atenção exata que ele pede a cada frase melodramática. Bieber pós-Where Are Ü Now é pura emoção através de beats de EDM e entendo isso como a estética própria do popstar/mito, o Sydney esfacela essa ideia e transforma “Cold Water” e, ironizando o fato de fazer um mix de rasteirinha/baile funk, retira basicamente todo o ar de club hit e reconstrói toda a melancolia do que é uma musica sobre um amor que enfraquece os dois envolvidos.

the new @adidas tubular shadows are so peng i had to call and tell a friend 📞👟

A post shared by #HIGHLYFLAMMABLE (@nadiarosemusic) on

12 NADIA ROSE | SKWOD
A monster track do grime em 2016 não poderia ser diferente pra um gênero que reviveu tão forte nos últimos 2 anos: um viral, um hino, pop e feminista. Ademais eu quase perdoo a existência do sotaque britânico ao ver a Nadia Rose conseguino rimar what e skwod.

Acabou as férias… bora trabalhar pessoal!!! Blusa:@maria.abacaxita

A post shared by MC Carol (@mccaroldeniteroioficial) on

11 MC CAROL & LEO JUSTI | DELAÇÃO PREMIADA
O rap brasileiro tem um histórico problemático com faixas de protesto, eu mesmo sempre canto a bola aqui do quanto é tão raro ver raps daqui que me interessam nesse nível. Muito porquê ‘rap de protesto’ pra certos mcs daqui quer dizer distanciar-se do rap americano moderno. E não há nada no Brasil mais próximo do rap americano moderno que o funk, então, quanto vai demorar pra nós concluirmos que a MC Carol é a mulher ideal pra tar versando sobre esse tipo de assunto? Por ironia, “Delação Premiada”, talvez, seja tão forte por partilhar uma ideia de protesto muito comum do rap americano de hoje, também: é direto, é feito pra ser massificado mesmo. O soco vem reto: “é negro, favelado, então tava de pistola”.

10 OMAR-S ft. JOHN FM | HEARD’ CHEW SINGLE
Omar S tem sido um dos produtores de house mais consistentes dessa década. Não exatamente por seus discos, mas por exemplos como essa faixa. “Heard’ Chew Single” tem um domínio de elementos em seus quase 10 minutos que nem me fz ligar muito pro ‘The Best!’, album do cara desse ano. Tem tanto cálculo aqui e não há ao mesmo tempo.

9 METRONOMY | OLD SKOOL (FATIMA YAMAHA REMIX)
Tem algo que persiste inimaginável nessa interpretação do produtor holandês a um do melhores singles do Metronomy. É como, se ele acrescentasse toda a levada de abstrata do seu house e a faixa continuasse sendo aquele grude intocável dos caras. Ou talvez o Metronomy realmente faça pop como poucos hoje, e deu uma rasteira daquelas no Fatima Yamaha.

ROLLING STONE MEXICO 🇲🇽

A post shared by Låpsley (@musiclapsley) on

8 LAPSLEY | OPERATOR (DJ KOZE’S EXTENDED DISCO VERSION)
Essa é um tipo de expressão pop perfeita da disco. É a lógica inversa do Fatima Yamaha remixando o Metronomy: aqui há um fluxo, uma narrativa ideal a sensibilidade pop tanto do Koze como da Låpsley.

Ooo la la, la vie en rose!

A post shared by AlunaGeorge (@alunageorge) on

7 ALUNAGEORGE | I REMEMBER
Esse foi talvez o ano mais nostálgicos da minha vida, inclusive transpareci isso em alguns posts por aqui. “I Remember” é uma música tão forte pra mim, nesse sentido, porque a cada lembrança escutá-la era reconfortante; talvez porque a Aluna Francis tenha 20 e aguns anos, talvez porque ela crie esse falsete infantilizado que torna cada uma destas lembranças tão palatáveis, tão reais… e mais ainda, parecem mais bonitas e romantizadas como lembrança que como a realidade que ela (ou eu) viveu de fato.

About last night 🙌💜 #727TourLisbon

A post shared by Fifth Harmony (@fifthharmony) on

6. FIFTH HARMONY ft. TY DOLLA $IGN | WORK FROM HOME
Por onde andava esse pop tão sem vergonha? Work from Home, por alguma razão, me faz pensar no pop de exatamente dez ano atrás, quando os melhores hits do momento se chamavam ‘Sexyback‘, ‘Fergalicious‘, ‘Promiscuous‘ etc etc. E mesmo a girlgroup do momento na década tinha o infame nome de Pussycat Dolls, hahah. É sempre bom ver como sexploitation funciona tão bem na música pop, also a) essa foi uma lembrança de que o rnbass ainda vive e b) o vídeo, que também é incrível, me faz lembrar que os clipes meio trash meio eróticos de eurodance dos anos 2000 são subestimados.

🇵🇹

A post shared by OMULU (@omulumusic) on

5 OMULU & KING DOUDOU ft. MC THA | BONDE DA PANTERA
A grande aposta do Omulu em 2016 foi a sua tão aguardada parceria com o Delano, que no fim das contas, flopou bonito. Se serve de consolo, ao menos no meu Spotify ela bombou um tiquinho. Mas “Menina” driblava toda a criatividade do DJ mais criativo do Brasil atualmente pra ser basicamente um spin off dos últimos hits do Major Lazer, enquanto que “Bonde de Pantera” tem uma proposta mais ou menos parecida e é infinitamente melhor. Há aqui aquele ar quiet storm, o sentimento praiano do tropical house numas batidas mais minimalistas de funk e, principalmente, o vocal quase falado, mas açucarado, ameaçador da MC Tha, que é como imaginar uma daquelas cantoras na linha da Annie, Britney ou Kylie do vocal fraco e sexy numa faixa de funk.

A post shared by Beyoncé (@beyonce) on

4 BEYONCÉ | FORMATION
A grande música política de 2016 também é, na verdade, um grande meme de 4 minutos? Há tanta coisa sendo dita sobre essa música, e eu nem tenho muito o que falar a despeito de todas as discussões mesmo. Só acho que a narrativa da Bey convidando o Swae Lee pra escrever uma música dessas com ela também foi uma ótima trollada. Also, nunca esquecerei daquela tarde de marasmo no dia do meu aniversário, quando do nada, comendo bolo, tava alí com benção de poder ver a imagem da B em cima de um carro de polícia afundado, falando que ela slay, fazendo rap sobre o quanto ela e a Blue são pretas… são coisas que sempre estiveram num ideal de perfeição que eu imaginava a Beyoncé fazendo, só não imaginava que seria, de fato, perfeito assim, sabe?

Clarinha facção carinhosa 🐻 📷 @raideno

Uma publicação compartilhada por Baco Exu do Blues (@exudoblues) em

3 BACO EXU DO BLUES & DIOMEDES CHINASKI | SULICÍDIO
Rapaz, agradeço todo dia agora a existência dessa música, sério. Ela catalisou a importância que o rap nordestino ainda tá buscando chegar não como um rap eficiente ou inovador, ele é, na real, uma aula de rima, de fluxo de assonância, de como manipular cada vocal: esticando, puxando, acelerando, jogando com elas… Sério, meus amigos, isso aqui é o rap em si. É ter um ponto de partida, um contexto definido e saber jogar cada porra de assunto que vem a sua mente pra dentro deles. Isso aqui faz o próprio verso do Kendrick em “Control” que o Baco referencia e cita parecer coisa do Riff Raff. E eu nem preciso dizer o quanto aquele outro com sample de pagodão baiano gritando “EU SOU PATRÃO!!” me deixou com um sorriso no rosto né?

AP's I got a crazy dumb collection. ⌚️ T.T X @revolution.watch

A post shared by Tinie Tempah (@tiniegram) on

2 TINIE TEMPAH ft. ZARA LARSSON | GIRLS LIKE
Dance-rap matters.

Mama, I'm a big girl now

A post shared by Ariana Grande (@arianagrande) on

1 ARIANA GRANDE | INTO YOU
Quando eu tinha 7 anos, ganhei de aniversário edição especial do primeiro disco da Christina Aguilera. Era disco duplo, com as músicas originais e um disco mesclado com versões em espanhol e remixes. A primeira faixa do disco de remixes era “Genie in A Bottle (Flavio vs Mad Morris Remix)” e nois já sentiu o impacto ali… era meu primeiro contato complexo com a cultura de dança na música pop. Digo contato complexo mesmo, pq com 7 anos já escutava o Planeta DJ todo dia; só nada sobre aquilo havia chamado tanta a minha atenção até aquele fatídico dia do ano de 2002.

É óbvio que o remix do Flavio e Mad Morris (who?) não é a obra-prima que a “Genie in A Bottle” original da Aguilera, mas por algum motivo aquele remix me deixava embasbacado com fucking 7 anos. Eram aquelas batidas nervosas, maximalistas que davam toda uma aura tão desesperadora àquele vocal potente e agressivo da Christina. Era aquele hook aparentemente tão simples, mas tão perfeito na minha mente que eu queria acreditar que ele era mais complexo do que aparentava — meu jah, como esses label songwriters conseguem fazer isso, tipo… um hook construído em total lógica mercadológica soar tão vivo, tão PERFEITO? Era você imaginando dance routines e, ao mesmo tempo, também imaginando um contexto completo daquela narrativa, imaginando o que diabos acontece depois que a Christina susurra come in & let me out?

Se eu te disser que em 2016, com 21 anos a cada vez que eu escuto “Into You” eu tenho a mesmíssima sensação, tu acreditas?

Anúncios

7 comentários em “2016: melhores faixas

  1. Tenho tantos comentários sobre esse post… O principal: QUEDÊ FRANK OCEAN?! Nada de ‘Blondie’? Amo ‘Self Control’ e acho o álbum um dos melhores do ano.

    No mais, achei mesmo que esse ano foi um revival vivo ahahah
    Cheio de hits que nos levaram pros anos 90, inicio dos anos 00’s. Desde ‘No’ da Meghan, ‘Versace on the Floor’ do Bruno.. Até a sofrência de Marília Mendonça que remete aos sertanejos sofridos dos AMIGOS.

    No mais, muita coisa boa mesmo na sua lista.
    Curti sim!

    1. nem me fale sobre o frank, cd chatão. tanto o blonde como outro dele fazendo as escadinha. kk

      e mentira que tu tb curte versace on the floor? maioria do povo odeia pq a letra é mto ridicula, hahahah. mas eu acho q é isso q fez ela dar tão certo, e alias foi a primeira musica na vida do bruno que me chamou a atenção de vdd. e o 24k magic todo é o melhor cd de pagode 90 q vc respeita.

^-^

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s