Da dissolução e os limites de encomenda

Young Thug ft. Nicki Minaj, “Danny Glover”

No seu último momento desse remix, Nicki Minaj diz “I am not gay, but let’s be precise / Cause if she pretty, then watch it cause I’m-a be fuckin’ ya wife”. É um ato de subversão até natural para quem, eu diria, é a mais inventiva ao menos entre o rap feminino hoje, mas penso que é bom lembrar que ela liberou um ou dois dias após o Grammy. Contextualizando: aquele Grammy, marcado pela celebração do Macklemore e “Same Love” (aquela música muito séria onde ele já começa te informando que não é gay).

Não quero reviver toda a discussão sobre o porquê a a faixa ou o Macklemore, como rapper em si, serem tão relevante quanto um episódio de Glee ou uma crônica do Gregório Duvivier, mas o que é interessante nesse tipo de situação são as reações (especialmente favoráveis) a ele. Sobre isso, após o VMA ano passado, o Jordan Sargent escreveu um post bastante elucidativo sobre como Same Love é, em certo ponto, conservadora. E os exemplos do que é realmente subversivo ou transgressor e ele cita aí são vários, mas este rap da Nicki aqui facilmente entraria entre os melhores: ela cria uma conversa sobre sexualidade da mesma forma que anuncia o controle da mesma. A jogada em se afirmar como não-gay e acrescentar uma frase que nega isto por completo é bem simples: essa questão pra Nicki Minaj é irrelevante, e definições se transformam rapidamente em argumentos arbitrários. (Eu sei de vários rumores que surgiram ano passado sobre o Young Thug ser gay. Não sei se ele já negou ou confirmou isso, mas a julgar por Danny Glover diria que não faz diferença saber.)

É uma estética comum ao rap feminino usar da sexualidade como uma jogada política e social, desde os bons tempos da Lil’ Kim ou a Foxy Brown e onde, olha só, a Angel Haze tocou num ponto parecido com o da Minaj em Danny Glover no freestyle que ela fez de “Same Love”. O que eu gosto na Nicki é esse tom multifacetado; é irreverente e bem estruturado, irônico mas focado, etc. É um discurso que facilmente entraria na casa do cinismo, mas ela tem total controle sobre ele. E é claro que a Nicki não é gay, mas digam ao Justin Timberlake que ela tá afim da Jessica Biel…

^-^

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s